Prestação de contas revela abismo entre campanhas a prefeito de Mossoró


Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) referentes às contas eleitorais dos candidatos a prefeito de Mossoró permitem analisar o perfil das campanhas na cidade, detalhando desde o volume de recursos arrecadados por cada aspirante a chefe do executivo municipal, até a forma como os recursos têm sido empregados.

O limite de gastos dos candidatos a prefeito de Mossoró nas eleições deste ano é de R$ 2.953.615,39. Veja abaixo quanto arrecadou e de que forma cada candidato declarou usar o dinheiro:

Tião Couto (PSDB)

O empresário Tião Couto (PSDB), candidato com maior patrimônio declarado entre os cinco nomes da disputa deste ano, de R$ 37,5 milhões, também é o que possui o maior volume arrecadado: R$ 711 mil, a maior parte vinda de recursos próprios. Ao todo, o psdbista declarou estar investindo, junto com o vice da chapa, Jorge do Rosário, R$ 550 mil na disputa pela Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM), o que representa 77,36% do montante declarado para a campanha.

O restante dos recursos de Tião vêm de doações de pessoas físicas: R$ 100 mil, representando 14,06% dos recursos; mais R$ 61 mil doações de partidos, que soma 8,579% do montante da campanha.

Até o dia 21 deste mês, data da última atualização das contas do candidato, Tião Couto havia registrado despesas de R$ 502.594,04. Deste montante, R$ 118,170 mil foram destinados ao pagamento de carros de som (23,51), mais R$ 115 mil para a produção de programas de TV e rádio (22,88%), R$ 73,283 mil com combustíveis e lubrificantes (14,58%), outros R$ 45 mil em serviços prestados por terceiros (8,954%) e R$ 43.833,33 com a cessão ou locação de veículos (8,721%).

Rosalba Ciarlini (PP)

A ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) declarou arrecadação de R$ 236.217 nesta campanha até o dia 23 de setembro, data da última prestação de contas. A candidata é a única entre os cinco nomes na lista do TSE que encontra-se com as contas “no vermelho”, pois declarou despesas de R$ 499.200,26, o que resulta em um déficit de R$ 262.983,26.

Mais da metade dos recursos da campanha de Rosalba Ciarlini, R$ 134.797, que representam 57,06% do total arrecadado, vêm de doações de pessoas físicas. Outros R$ 100 mil foram doados à candidata progressista por partidos políticos, somando 42,33% da verba disponível para a campanha. Já os chamados recursos estimáveis são R$ 34.797 e representam 14,73% do montante declarado pela candidata.

Juntas, as doações feitas a Rosalba por candidatos e através da internet somam R$ 1.420 e não chegam nem a 1% do valor arrecadado para a campanha.

Das gastos da campanha de Rosalba Ciarlini, um total de R$ 215 mil foram usados para o pagamento de produção de programas de rádio, TV e vídeo (43,07% das despesas). Mais R$ 84 mil foram doações financeiras feitas a outros candidatos e partidos (16,83%), e, R$ 50 mil destinados à publicidade por materiais impressos (10,02%). A ex-governadora declarou gasto de R$ 32.150,16 com serviços prestados por terceiros (6,44%) e mais R$ 28.641,20 com despesas diversas ainda a especificar (5,737%).

Gutemberg Dias (PC do B)

O empresário Gutemberg Dias (PC do B) declarou a segunda menor arrecadação entre os candidatos a prefeito de Mossoró este ano: R$ 12,605 mil. Todo o dinheiro declarado vem de doações feitas pelo próprio Gutemberg à sua candidatura. No portal do TSE, estão registradas cinco doações do candidato à sua candidatura, sendo quatro através de transferências eletrônicas e uma denominada como “outro título de créditos”.

As despesas de R$ 11.377,61 são resultado do gasto de R$ 7 mil com a produção de programas de rádio, TV e vídeo (56,55% do valor arrecadado), mais R$ 2.036,21 com a compra de combustíveis e lubrificantes (16,45%) e R$ 1,5 mil em publicidade por adesivos (12,12%).

Gutemberg Dias declarou ainda gasto de R$ 1 mil com publicidade de carro de som (8,079%) e de R$ 500 com a cessão ou locação de veículos (4,04%).
.
Josué Moreira (PSDC)

O professor Josué Moreira (PSDC) declarou o menor volume arrecadado entre os cinco candidatos a prefeito de Mossoró este ano, um total de apenas R$ 2,75 mil. Assim como Gutemberg Dias, todo o dinheiro declarado pelo professor vem de doações feitas por ele mesmo para a sua campanha, através de uma transferência eletrônica e dois depósitos.

As despesas declaradas por Josué Moreira também são os menores do pleito: R$ 2,691 mil, dos quais R$ 2,5 mil foram gastos com publicidade por materiais impressos (92,90%) e R$ 191 com a publicidade por adesivos (7,098%).

Uma campanha de desigualdades

Comparando as campanhas com as maiores e as menores arrecadação e gastos, é visível o abismo que separa candidaturas. Os R$ 2,75 mil arrecadados por Josué Moreira representam somente 0,387% dos recursos disponíveis pelo candidato Tião Couto nesta campanha, de R$ 711 mil.

O valor disponível pelo candidato psdbista para as despesas da disputa ao cargo de prefeito de Mossoró é 257,545 vezes maior que o arrecadado pelo professor nesta campanha.

Francisco José Júnior (PSD)

O atual prefeito, Francisco José Júnior (PSD), continua, para a Justiça Eleitoral, candidato à reeleição em Mossoró. Ao todo, o psdista arrecadou R$ 412,6 mil para a campanha, dos quais R$ 366 mil foram doados por pessoas físicas na véspera do anúncio de sua desistência do pleito, feita no dia 19 de setembro através do Facebook.

Até o dia 17 deste mês, constavam na prestação de contas do prefeito 16 doações de 10 doadores, todas feitas por transferências eletrônicas, somando R$46,6 mil. Porém, no dia 18, a prestação passou a contar com 382 doações de 342 doadores, acumulando montante de R$412,6 mil.

Doações a Francisco José Júnior cresceram 785,40% na éspera da desistência da candidatura

No domingo, 18 de setembro, o valor arrecadado por Francisco José Júnior através de doações cresceu 785,40% graças ao jantar de adesão e arrecadação para a campanha. Todas as 366 doações foram feitas em espécie, no valor de R$ 1 mil cada, totalizando R$366 mil.

O jantar de adesão, informou a assessoria jurídica do prefeito, foi autorizado e fiscalizado pela Justiça Eleitoral, pela 34ª Zona Eleitoral do RN. Com as doações do jantar, as contas da campanha do prefeito, que tinham despesas de R$215.583,87, saíram do vermelho e passaram a apresentar saldo positivo de R$ 197.016,13.

Das despesas do prefeito com a campanha, R$ 58.057,67 foram destinados à publicidade por adesivos (26,94%), mais R$ 55.486,05 gastos com combustíveis e lubrificantes (25,74%), e outros R$ 54,5 mil com serviços prestados por terceiros (25,28%). O candidato gastou ainda R$ 30 mil com carros de som (13,92%) e R$ 11 mil com a cessão ou locação de bens imóveis (5,102%).

No dia 19 deste mês, após o jantar de adesão, o prefeito anunciou sua desistência da candidatura, através do Face Live, vídeo ao vivo transmitido pelo Facebook, posicionamento reiterado em entrevistas a veículos de comunicação, mas não oficiado junto à Justiça Eleitoral.


Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário